quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Projeto capacita professores para levar a biodiversidade local para as salas de aula do entorno do Tumucumaque

O projeto Biodiversidade nas Costas - Tumucumaque tem como objetivo a formação de professores  da rede pública dos municípios amapaenses do entorno do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, tendo a biodiversidade como tema motivador.

A ideia é preconizar o estudo dirigido dos principais debates científicos e políticos mundiais sobre biodiversidade, visando a elaboração participativa de instrumentos educacionais e peças de comunicação para mobilização e engajamento social na temática.

A concepção inicial dos instrumentos educacionais foi desenvolvida por professores e alunos dos Colegiados de Ciências Biológicas e Geografia da Universidade Federal do Amapá e esses materiais estarão contidos em um kit-mochila (daí o nome “Biodiversidade nas Costas”) para formação e aplicação em espaços educadores do estado (salas de aula, Unidades de Conservação, ONGs locais e fóruns sociais). Com esse objetivo, busca-se consolidar a agenda ambiental a partir da temática biodiversidade nos currículos escolares e demais circuitos de aprendizagem no Estado do Amapá.

O texto base trabalhado foi o Plano de Manejo do Parque, aprovado desde março de 2010, e foi resultado da análise de um conjunto de estudos que focaram em investigações sobre fauna, flora, características socioeconômicas das comunidades do entorno e demais aspectos que compõem a rica paisagem natural e social dessa porção do Amapá.

Traduzir esse documento para uma linguagem mais didática e, até mesmo, lúdica, propicia o acesso da população amapaense à compreensão mais detalhada sobre seu estado.

O Projeto Biodiversidade nas Costas - Tumucumaque atenderá educadores do Plano Nacional de Formação de Professores (PARFOR) que atuam nos municípios de Oiapoque, Calçoene, Serra do Navio, Pedra Branca do Amapari e Laranjal do Jari. A oficina que ocorrerá no período de 20 a 25 de fevereiro, em Macapá, contemplará a próxima fase do Projeto, a elaboração das estratégias pedagógicas de inserção dos instrumentos educacionais no cotidiano escolar, ou seja, como desenvolver atividades com os alunos a partir desses materiais. A oficina terá dois momentos, do dia 20 ao 22 no Auditório da Secretaria de Estado do Meio Ambiente; e o segundo que ocorrerá nos dias 24 e 25 nas dependências do Museu da Imagem e do Som (Teatro das Bacabeiras).

Este projeto faz parte do Programa Educação para Sociedades Sustentáveis da WWF-Brasil e é uma iniciativa do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, em Parceria com o IPEC - Instituto de Permacultura e Ecovilas do Cerrado e a Universidade Federal do Amapá.

Informações: 3243 1555 / 8129 5107 / 8806 5122

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Operação combate caça ilegal no Paque Tumucumaque e Flona do Amapá


Como parte do Programa de Proteção do PNMT e da FLONA, o ICMBio e o Batalhão Ambiental realizaram na segunda quinzena de janeiro operação de fiscalização no Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque e Floresta Nacional do Amapá. Foram encontrados três caçadores nestas unidades de conservação, um próximo ao rio Feliz e dois próximos ao rio Falsino.

Os caçadores portavam armas longas sem registro, inclusive de características cujo porte não é permitido, e por isto foram conduzidos pelo Batalhão Ambiental para as delegacias de polícia civil de Pedra Branca do Amapari e Ferreira Gomes. Foram apreendidas 4 espingardas, munição, um badoque (arma artesanal utilizada em armadilhas), duas pacas (Agouti paca) e um veado-mateiro (Mazama americana). Verificou-se a presença de quantidade expressiva de penas de mutum e restos de outros animais na área do rio Falsino, indicando que a caça no local é recorrente. 

A caça é uma atividade proibida nestas áreas por ameaçar a integridade da vida silvestre local, que é protegida pelas Unidades de Conservação. A Flona do Amapá e a porção sudoeste do ParNa Tumucumaque sofrem grande pressão pelo acesso à caça, que em geral não tem objetivos de subsistência, mas costuma ser explorada para comercialização, o que representa um impacto na fauna local. A não recomposição da fauna impactada pode representar a diminuição ou até mesmo a extinção de espécies da fauna endêmica, a longo prazo. É com esta preocupação e com este cuidado de conservação da riqueza ambiental, que também representa a riqueza cultural desta região, que são realizados esforços de proteção da biodiversidade nestas áreas protegidas. 

Na região onde ocorreu a operação, bacia hidrográfica do rio Araguari, não existem moradores dentro do parque, sendo que a comunidade mais próxima está localizada a 15 km do seu limite, no assentamento agrícola Perimetral Norte. Na Flona do Amapá há três famílias morando em seu interior, que possuem boa convivência com os objetivos de conservação que o ICMBio tem a missão de cumprir.

Os caçadores que agem na região se deslocam de suas moradias, muitas vezes localizadas em comunidades ou cidades distantes a mais de 50km, para estas UCs. Há evidências de que a carne de caça é comercializada para uma clientela urbana que geralmente encomenda e arca com os custos logísticos das caçadas.

Área da Operação - Bacia do rio Araguari



Animais apreendidos durante operação no PNMT e FLONA. Foto: Érico Kauano

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Alunos do Pronatec visitam escritório-sede do Parque Tumucumaque

Por Marcela de Marins

No dia 07 de janeiro o escritório-sede do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque recebeu 17 alunos do Curso de Auxiliar de Fiscalização Ambiental, oferecido no município de Serra do Navio pelo PRONATEC- Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego*. Os alunos, sob orientação da professora Ivone Silva dos Santos,
responsável pela disciplina Manejo da Fauna Silvestre, estão realizando um diagnóstico dos diferentes aspectos relacionados à Fauna no município, entre eles a caça comercial e a atuação dos órgãos ambientais.

Na visita à sede do PNMT os alunos foram recepcionados pela analista ambiental Marcela de Marins, coordenadora de proteção, que apresentou a Unidade de Conservação e as linhas de ação da fiscalização. Marcela destacou a importância das atividades de fomento para inibir atividades ilícitas, exemplificando que a equipe gestora do Tumucumaque entende que o desenvolvimento do turismo é a melhor estratégia para inibir à caça. "Constatamos que a presença de turistas no interior do Parque, além de proporcionar uma atividade de recreação junto à natureza, inibe a entrada de caçadores." A professora Ivone dos Santos ressaltou que para os alunos, futuros profissionais da área ambiental, é importante conseguir sair da sala de aula e interagir com os diversos atores sociais de Serra do Navio.

 * O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) foi criado pelo Governo Federal, em 2011, com o objetivo de ampliar a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica.

domingo, 8 de dezembro de 2013

Tumucumaque realiza 20ª Reunião Ordinária do Conselho Consultivo

O Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque (PNMT) realizou, no dia 04 de dezembro, a 20ª Reunião Ordinária do Conselho Consultivo(CPMT), a partir das 8h30, no auditório da Secretaria de Meio Ambiente do Estado (Sema). Apoiado pelo WWF-Brasil e o Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa), o evento tem o objetivo de apresentar aos conselheiros as atividades desenvolvidas pelo Parque no segundo semestre de 2013.
Conselho Consultivo do  PARNA Montanhas do Tumucumaque.
Foto: PNMT.

Na ocasião foi apresentado o processo de renovação de seu Conselho Consultivo, o qual tem a finalidade  de contribuir para as ações voltadas ao efetivo cumprimento dos objetivos é  implementação do Plano de Manejo da unidade de conservação (UC), entre outras atribuições.
"É muito importante a gente trabalhar toda essa biodiversidade, nós queremos que os recursos beneficie o povo que está lá, mas sem agredir o Parque", afirmou a conselheira Betânia Baia, da Associação de Mulheres do Riozinho, localizado no município de Pedra Branca do Amapari.
O Conselho do PNMT é uma composição mista, com representantes do Poder Público das três esferas de governo e por membros da sociedade civil, que visa transformar o Conselho num espaço de mediação entre interesses nacionais e locais, coletivos e privados.
Para o presidente do Conselho, Christoph Jaster, uma das prioridades para 2014 é a questão do Uso Público. Uma outra meta é elaborar estratégias de desenvolvimento para as comunidades do entorno. "Nós temos o entendimento que esse é o projeto do atual momento mais importante para o Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque", destacou Jaster.

De acordo com o Sistema Nacional de Unidades de Conservação –SNUC, instituído pela Lei 9.985/2000, cada Parque Nacional deve dispor de um conselho consultivo, presidido pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio, autarquia vinculada ao Ministério do Meio Ambiente e responsável pela gestão das unidades de conservação federais, e deve ser composto por representantes de órgãos públicos e organizações da sociedade civil, sempre que possível, respeitando o princípio da paridade.

O Conselho Consultivo do PNMT foi criado em 2002, pela Portaria do IBAMA nº 182, de 31 de dezembro. Desde sua criação, o Conselho  tem apoiado a administração da Unidade de Conservação, participando das etapas de construção de seu plano de manejo e contribuindo para definição de prioridades para sua gestão, especialmente no que se refere à relação com as comunidades situadas no entorno do Parque e a discussão de estratégias de desenvolvimento para os municípios onde a unidade está inserida.
O parque nacional abrange parte dos municípios de Oiapoque, Calçoene, Pedra Branca do Amapari, Serra do Navio e Laranjal do Jari, além de uma pequena porção do município de Almeirim, no estado do Pará.

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Conselho Consultivo do PARNA Montanhas do Tumucumaque realiza 20ª Reunião Ordinária


O Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque (PNMT), realiza, no dia 04 de dezembro, a 20ª Reunião Ordinária do Conselho Consultivo(CPMT), a partir das 8h30, no auditório da Secretaria de Meio Ambiente do Estado. Apoiado pelo WWF-Brasil e o Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa), o evento tem o objetivo de apresentar aos conselheiros as atividades desenvolvidas pelo Parque no segundo semestre de 2013.
Conselho Consultivo do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque.
Na ocasião será apresentada o processo de renovação de seu Conselho Consultivo, o qual tem a finalidade  de contribuir para as ações voltadas ao efetivo cumprimento dos objetivos e
 implementação do Plano de Manejo da unidade de conservação (UC), entre outras atribuições.
O Conselho do PNMT é uma composição mista, com representantes do Poder Público das três esferas de governo e por membros da sociedade civil, que visa transformar o Conselho num espaço de mediação entre interesses nacionais e locais, coletivos e privados.
De acordo com o Sistema Nacional de Unidades de Conservação –SNUC, instituído pela Lei 9.985/2000, cada Parque Nacional deve dispor de um conselho consultivo, presidido pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio, autarquia vinculada ao Ministério do Meio Ambiente e responsável pela gestão das unidades de conservação federais, e deve ser composto por representantes de órgãos públicos e organizações da sociedade civil, sempre que possível, respeitando o princípio da paridade.

O Conselho Consultivo do PNMT foi criado em 2002, pela Portaria do IBAMA nº 182, de 31 de dezembro. Desde sua criação, o Conselho  tem apoiado a administração da Unidade de Conservação, participando das etapas de construção de seu plano de manejo e contribuindo para definição de prioridades para sua gestão, especialmente no que se refere à relação com as comunidades situadas no entorno do Parque e a discussão de estratégias de desenvolvimento para os municípios onde a unidade está inserida.